Menu

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

BUSIC: assista clipe de banda com ex-membros do DR SIN

Os irmãos Andria e Ivan Busic são lendas vivas do hard rock nacional. Por duas décadas comandaram o DR SIN, trio que formaram com o guitarrista Edu Ardanuy e deixou uma impecável discografia. Com o fim do Dr Sin, era grande a expectativa sobre os próximos passos de seus membros. 

A ansiedade finalmente teve seu fim com a divulgação de "Só o tempo irá dizer", primeiro videoclipe da banda batizada com o sobrenome dos irmãos. Hard rock de primeira linha cantado em Português. Vale a pena conferir:
Para maiores informações visite:

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Hino da Chapecoense na Guitarra

O guitarrista Luizinho Calderia do Instituto Música Fácil, da cidade de Itu no interior de São Paulo, também prestou seu tributo à Chapecoense com uma versão instrumental do hino do clube. Confira no player abaixo:
Veja também:
Rock da Chapecoense
Chapecoense: o time que uniu o Brasil

domingo, 4 de dezembro de 2016

Ferreira Gullar: o Poeta e o Gol

Mais uma notícia triste nessa semana com a divulgação do falecimento do poeta Ferreira Gullar. O poeta de 86 anos tinha vasta obra e uma grande identificação com o futebol (jogou nas categorias de base do Sampaio Côrrea; era vascaíno declarado e foi grande amigo de Canhoteiro, ídolo do São Paulo nos anos 50 e 60). Confira abaixo o poema "O Gol" em que Gullar com muita sensibilidade descreve o mais espetacular momento do futebol: 


O Gol
Ferreira Gullar

                                               A esfera desce
                                               do espaço
                                                      veloz
                                               ele a apara
                                               no peito
                                               e a pára
                                               no ar
                                                      depois
                                               com o joelho
                                               a dispõe a meia altura
                                               onde
                                               iluminada
                                               a esfera
                                                    espera
                                               o chute que
                                               num relâmpago
                                               a dispara
                                                 na direção
                                                 do nosso
                                                 coração.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Chapecoense: o time que uniu o Brasil

Chapecoense escudo
Grandes clubes ganham títulos e disputam decisões com tanta frequência que a vibração pela vitória  ou lamentação pela derrota, embora genuínas, tendem a ser efêmeras, afinal, outras decisões logo os esperam.

São as conquistas dos pequenos que realmente nos fascinam. Talvez pelo entendimento de nossa frágil natureza é o drama dos mais fracos que nos emociona verdadeiramente.

Os pequenos talvez nos ajudem a lembrar que também fomos pequenos e que, mesmo crescidos, de certa forma, ainda somos pequenos. 

É esse sentimento que a Chapecoense despertava. Pequena, porém valente. Diminuta, mas ruidosa. 

Uma final de Copa Sul-Americana talvez fosse só mais uma final para qualquer um dos "grandes" do nosso futebol. Um eventual título, dependendo das circunstâncias, poderia ser visto pela imprensa e mesmo pelos torcedores dessas grandes equipes como uma conquista secundária.

Mas para a Chapecoense era a chance de fazer história. Era "a conquista". Era a esperança de uma cidade, de um pequeno grupo de leais obstinados que acreditaram no time quando ninguém mais acreditaria. 

Era um sonho. E é disso que o futebol sempre foi feito. De sonhos. Sonhos de meninos que cresceram mas que quando vestem a camisa de sua equipe favorita voltam a ser meninos. E voltam a sonhar. Essa é a mágica do futebol. 

Esse era o encanto da Chapecoense. Uma equipe que fazia outros sonharem. Um espelho para os outros clubes pequenos. Mas na madrugada desta fatídica terça-feira, esse espelho se quebrou. Quebrou-se o encanto. O voo da glória foi o voo da angústia, da dor. Ninguém sorriu. Ninguém cantou. Ninguém comemorou.

Um trauma sem precedentes no futebol nacional. Um luto capaz de unir temporariamente um país dividido. De ofuscar todas as cores e escudos. 

Muitos meninos tiveram que aprender um pouco a dor de um mundo adulto. E muitos adultos, por entenderem que a dor dos outros também é a sua, choraram como meninos.  

Não será fácil juntar os cacos e as lágrimas. Sabemos que o futebol de uma forma ou outra continuará. O trágico e o inesperado, contudo, estarão sempre a espreita. Um motivo a mais para que na arquibancada, no campo ou em qualquer outra situação de nossas vidas, joguemos cada partida com a garra Chapecoense de quem disputa uma final. 

Valeu, Chape! Jamais esqueceremos de seu exemplo e valentia!

Veja também:
Rock da Chapecoense

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

BLACK SABBATH também presta homenagem a Chape

Outra lenda do Rock mundial prestou seu tributo à Chapecoense. Em turnê pelo Brasil, o BLACK SABBATH postou uma foto com uma bandeira da Chapecoense sob o kit de bateria para lembrar as vítimas do fatal acidente em Medellin. Na legenda os dizeres: Respeito e condolências aos nossos amigos brasileiros”.

Veja também: 
Guns N' Roses homenageia Chapecoense

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Guns N' Roses homenageia Chapecoense


A repercussão da tragédia que ocorreu com a Chapecoense na Colômbia gerou inúmeros e emocionantes tributos. Até mesmo o Guns N' Roses prestou sua homenagem à equipe brasileira postando um vídeo em que o logo da banda se funde com o escudo da equipe catarinense. Ao fundo, "Knockin' on Heaven's Door", regravação de Bob Dylan. Confira a homenagem:
Veja também:
Chapecoense: o time que uniu o Brasil

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

SEPULTURA em luto pela CHAPECOENSE

A tragédia envolvendo a equipe da Chapecoense abalou o mundo do futebol e ecoou também no mundo da música pesada. O SEPULTURA manifestou seu pesar através das redes sociais com a imagem reproduzida acima.

Guns N' Roses e Megadeth foram outras bandas que também se manifestaram sobre o ocorrido. 

terça-feira, 29 de novembro de 2016

DAVE MUSTAINE envia condolências a CHAPECOENSE

Outra banda de extrema importância no mundo do metal a se manifestar sobre esse triste acidente ocorrido com a CHAPECOENSE foi o MEGADETH, banda que agora conta com o guitarrista brasileiro KIKO LOUREIRO.

O líder da banda DAVE MUSTAINE usou sua conta no Twitter para prestar suas condolências, declarando-se entristecido e oferecendo suas preces a todos os envolvidos no acidente:

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Doutor Estranho (review)

"Esqueça tudo que você sabe". Essa é a premissa de "Doutor Estranho", mais recente produção a integrar o Universo Cinematográfico da Marvel. Basicamente é um "filme de origem" que mostra como Doutor Stephen Strange, um cirurgião que tem as mãos seriamente lesionadas após um acidente automobilístico, se transforma em um dos mais poderosos heróis da editora.

Em sua busca pela cura de sua irreversível lesão, Strange entra em contato com ensinamentos místicos que irão confrontar sua visão de homem da ciência.
Sua jornada torna-se uma jornada de autoconhecimento e Strange tem que optar entre seus interesses egoístas ou o bem maior, que no caso não significa nada menos que a salvação do mundo de um ser maligno chamado Dormammu. 
Com um enredo simples, mas consistente, Doutor Estranho repete a consagrada fórmula dos filmes Marvel/Disney: um protagonista carismático, interpretado com maestria por Benedict Cumberbatch, humor e ação ininterrupta. 
O filme destaca-se ainda por seu visual alucinante para retratar as múltiplas dimensões pela qual transitam os personagens. Uma experiência visual única! 

A sequência em que o Doutor Estranho escolhe (ou é escolhido...) por sua capa também é outro ponto alto. Lúdica e inventiva, confere (literalmente, inclusive) a leveza que a narrativa precisava. Sem contar o desfecho antológico, certamente o mais inusitado entre os filmes da Marvel.

Toda a trama do filme ocorre de forma independente aos acontecimentos de filmes anteriores, de modo que ninguém precisa ser um especialista em quadrinhos para apreciar essa grande aventura. O gancho para outros filmes acontece na primeira cena pós-créditos. 

Nessa grande narrativa que se desenha, Doutor Estranho insere o elemento que faltava, lançando a última base para que a "saga do infinito" comece a se concretizar. 

Quem apostava em um rápido desgaste da fórmula de super-heróis pode esperar sentado. E de preferência com um balde de pipocas do lado. Esses caras (aí contrário da concorrência) sabem muito bem o que estão fazendo. E vem muita coisa divertida por aí!

Veja também:
Capitão América: Guerra Civil (review)

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Headbanger Voice: veja trailer de documentário sobre a revista ROCK BRIGADE


Todo rocker que tenha passado dos 30 anos deve lembrar com carinho da Revista Rock Brigade. Eu, particularmente, devo muito da minha "cultura musical" à leitura da revista. Afinal, estamos falando de uma época em que não havia internet e a Rock Brigade era uma publicação bastante abrangente, com matérias e entrevistas muito bacanas, com muito texto mesmo, o que a diferenciava de outras publicações da época. 

 Além disso, a "rede social" dos headbangers acabava sendo a "Headbanger Voice", seção de cartas da revista e título do documentário que irá resgatar sua rica história. 

Assista abaixo o primeiro trailer do filme:  
Para maiores informações: